Capa

Associação Menina Olímpica cria escolinha de futebol feminina no Ceará

Entidade iniciou em abril projeto voltado para a iniciação e categorias de base da modalidade, visando a formação social por meio do esporte

13.05.2022  |  109 visualizações

Pioneira no fomento ao futebol entre as mulheres no Ceará, a Associação Menina Olímpica vai levar sua experiência de quase 20 anos para a iniciação ao esporte. O projeto inaugurou em 15 de abril a Escolinha de Futebol Menina Olímpica, exclusivamente feminina, voltada para crianças de 5 a 17 anos.

O foco do projeto é a formação e inclusão por meio do esporte. A escolinha atenderá 144 meninas da rede pública de ensino em dois núcleos, nas cidades de Fortaleza e Maracanaú. As atividades, com uma hora de duração, serão realizadas sempre no contraturno escolar e de acordo com a faixa etária. A turma de 5 a 11 anos terá aulas pela manhã, duas vezes por semana, às terças e quintas-feiras. À tarde é a vez da turma de 12 a 17 anos, com três aulas por semana, às segundas, quartas e sextas-feiras.

"Sempre tivemos um projeto de formação das categorias de base e uma equipe profissional de competição. Mas a Escolinha de Futebol Menina Olímpica é inédita. Pela primeira vez teremos um projeto para a iniciação esportiva com apoio financeiro e todas as condições proporcionadas pela Lei de Incentivo ao Esporte", destaca Chagas Ferreira, presidente da Associação Menina Olímpica.

 

Revelando talentos do futebol feminino brasileiro

Fundada em 2006, a Associação Menina Olímpica já atendeu 1150 atletas de 8 a 35 anos. Primeiro clube de futebol feminino do Ceará, em atuação desde 2015, acumula títulos estaduais nas categorias adulta, sub-20 e sub-17. E já colocou 16 talentos do esporte na Seleção Brasileira, jogadoras que hoje atuam em grandes clubes no Brasil e na Europa. Entre elas, Fátima Dutra, atleta do Torrense, e Marta Cintra, do Benfica, ambos em Portugal, e Katrine Costa, do Palmeiras, em São Paulo.

Descoberta na Associação Menina Olímpica, Raquel Ferreira é madrinha do projeto e um exemplo de como ele pode transformar a vida de mulheres que sonham em fazer do esporte uma profissão. Vinda de Aquiraz aos 13 anos, Raquel mostrou-se muito dedicada tanto aos treinos como aos estudos. Graças ao trabalho na entidade, chegou a ser convocada para a Seleção Brasileira, mas sua carreira tomou um rumo diferente. Formou-se em Educação Física e tornou-se preparadora física da Ferroviária de Araraquara, time com o qual sagrou-se campeã sul-americana em 2020.

"Com a Escolinha de Futebol Menina Olímpica, queremos usar o esporte como ferramenta de educação e formação das meninas no Ceará. Mas é claro que aquelas que demostrarem talento e vontade de seguir no futebol poderão ir para o alto rendimento. Nós sempre colocamos atletas jovens para jogar na equipe adulta do Menina Olímpica. Agora mesmo, temos uma jogadora de 14 anos que disputará a série A3 do Campeonato Brasileiro conosco", explica Chagas Ferreira.


A AMO

A Associação Menina Olímpica busca a inserção das mulheres na sociedade por meio do esporte. Idealizada em 2006 pelo ex-jogador Chagas Ferreira, trabalha com atletas de 8 a 35 anos. Como time profissional, disputa todos os campeonatos da Federação Cearense de Futebol nas categorias adulta, Sub-20 e Sub-17. A entidade também desenvolveu parcerias com o Fortaleza, em 2018, e com a Escola de Aprendizes Marinheiros do Ceará - EAMCE/Marinha do Brasil, de 2016 a 2018, para a formação de equipes femininas. A partir de 2021, com o patrocínio da MOB Telecom, o time principal passou a se chamar Menina Olímpica Brasil - MOB.

Com a Escolinha de Futebol Menina Olímpica, atende 144 alunas de escolas públicas de 5 a 17 anos, nos núcleos de Fortaleza e Maracanaú. O projeto é viabilizado pela Lei de Incentivo ao Esporte, programa da Secretaria Especial do Esporte, Ministério da Cidadania e Governo Federal com a execução da Associação Menina Olímpica e captação da BG Soluções Sociais. Os patrocinadores são Dass, DSM, Sumitomo Chemical, Osasuna, Máquina Agrícola, Durametal, Hope, Kolosh e Delfa.